Em 1901, o pesquisador Daniel T. Ames publica o texto “Ames on Forgery”, pioneiro no exame forense da escrita ao procurar descrever as características individuais a partir de manuscritos, a técnica foi utilizada já à época buscando esclarecer diversos casos, dando impulso à chamada grafologia. Ele também acreditava poder identificar o sexo do escrevente, o que não é aceito modernamente.

Veja também